Documentos:
» Pesquisar
Date Picker
» História

FREGUESIA DE VENADE

 

Informação Sumária

 

Padroeira: Santa Eulália

Habitantes: 820 pessoas em 2011.

Eleitores Inscritos: 840 eleitores no ano de 2011.

Sectores laborais: Agricultura, construção civil, comércio e serviços.

Tradições festivas: Nossa Senhora dos Remédios (14 e I5 de Agosto), Santa Eulália (Dezembro), Senhor do Socorro (Julho), Santo António (Junho) e Santíssimo (Junho).

Valores Patrimoniais e aspectos turísticos: Cruzeiro de Venade, fontanário, coreto, Igreja Paroquial e arcadas de portões brasonadas, Capela de Santo Antão, Monte de Santo Antão com vestígios arqueológicos, Penedo do Fojo (Aldeia Nova), rio Coura (sítio do Pego), rio Tinto (moinhos), largos do Adro e do Senhor do Socorro.

Artesanato: Cestaria em vime.

Gastronomia: Papas de milho, cozido à portuguesa, presunto e Vinho Verde, chouriços (de carne, de sangue e de cebola e massa) e broa de milho.

Colectividades: Centro de Cultura e Desporto de Venade, Grupo Desportivo e Cultural de Venade e Grupo Coral de Venade.

  

 

ASPECTOS GEOGRÀFICOS

 

        Situada a três quilómetros da vila de Caminha, a sede do concelho a que pertence, a Freguesia de Venade ocupa uma área de cerca de 585 ha. Confronta, a Norte, com o rio Coura (margem esquerda), encontrando-se Vilar de Mouros (lugar de Marinhas) e a Freguesia de Seixas (lugar de Coura), na outra margem. A Sul, faz limites com as Freguesia de Azevedo e de Gondar. A Nascente, estabelece limites com as Freguesia de Argela e de Dem, A Poente, limita com as Freguesia de Vilarelho, de Cristelo e de Moledo.

É circundada pelos montes da Chã Vermelha, da Senhora da Serra ou das Neves e de Santo Antão, estende-se desde um bonito e produtivo vale até ao planalto dos montes citados. Desta forma apresenta uma paisagem rural com uma considerável componente florestal e, também, uma área de junqueiras na sua zona ribeirinha, no que ao rio Coura diz respeito.

Efectivamente, todas as freguesias aqui citadas, pertencem ao concelho de Caminha.

Venade é formada por 16 lugares principais: Aldeia Nova, Barge, Castanheirinho, Chão, Coruche, Cruzeiro, Cruzinha, Escusa, Feital, Fornas, Mouteira, Poço, Ribas, Rio Tinto, Rosmaninho e Sobral.

Do seu património, o destaque vai para o formoso Cruzeiro de Venade esculpido, em cantaria, estilo barroco, com a N. Sra. da Conceição sobre o fuste salomónico. Construído entre 1760 e 1790 a expensas do povo, está classificado como de "Interesse Público". Nota, ainda, para os Cruzeiros da Escola, do Senhor do Socorro e da Rua. Também, para as capelas e para o vasto conjunto de alminhas e dois relógios de sol. Tem Venade quatro capelas. Capela de Santo Antão; Senhora do Caminho; Senhora do Loreto e Senhor do Socorro. Só a de Santo Antão é pública, construída provavelmente nos séculos XIII ou XIV.

A freguesia é dotada de várias fontes de água.

Venade é, também, muito procurada, quer pelo património arquitectónico envolvente ao Adro onde está o coreto, a Igreja Paroquial e a Junta de Freguesia, quer pelos belíssimos panoramas observados do Miradouro do Fojo, e de outros pontos elevados desta terra.

Os cursos de água como o rio Coura e o rio Tinto são agregadores de valores turísticos e de lazer.

As terras, designadamente as mais enxutas das encostas, produzem um excelente vinho verde.

 

RESENHA HISTÓRICA

 

O topónimo Venade parece derivar dum genitivo de expressão latino-cristã (Bene-Natus) ou "Benenatis" (A bem nascida), oriundo de "Benade", que, por sua vez, teria vindo de "Baenis", nome que os Romanos atribuiam ao rio Coura e a uma povoação existente na sua confluência com o rio Minho, dando origem à vila de Caminha e à freguesia de Venade. Era muito corrente, no século XI, utilizar esse genitivo de expressão latino-cristã (Bene-Natus) em documentos, para indicar os que tinham por nascimento uma "qualidade" superior aos outros.

Toda esta região tem um passado pré-histórico, cujos vestígios estão evidentes. A Freguesia de Venade, tem na sua heráldica uma prova desse passado longínquo. São duas antas a representarem esses monumentos funerários da época neolítica —,(há cerca de 6 000 anos), que foram encontradas no séc XIX.

Uma delas próxima da Capela de Santo Antão e outra ali perto, no denominado Poço ou Cova do Armada, como testemunhou o arqueólogo Martins Sarmento.

Ainda, a respeito da história desta freguesia, o livro "Inventário Colectivo dos Arquivos Paroquiais vol. II Norte

Arquivos Nacionais/Torre do Tombo" diz

textualmente: «Nas Inquirições de D. Afonso III, de 1258, é mencionada este freguesia.

A sua igreja pertencia ao Bispado de Tui.

Relacionada na lista de 1320 das freguesias entre os rios Lima e Minho, pertencentes a diocese de Tui, a paróquia de Venade figura no arcediagado da Vinha (Areosa), tendo-lhe sido atribuída a taxa de 50 libras.

Do Livro das Confirmações de D. Diogo de Sousa consta a doação do seu padroado ao marquês de Vila Real.

Em 1641 passou a donatária desta freguesia a Casa do Infantado que apresentava o reitor.»

 



 

FREGUESIA DE AZEVEDO

 

INFORMAÇÃO SUMÁRIA

 

Padroeiro: S. Miguel.

Habitantes: 158 pessoas (I.N.E. 2011).

Eleitores Inscritos: 145 eleitores em 05-06-2011.

Sectores laborais: Agricultura e pecuária.

Tradições festivas: S. Miguel (29 de Setembro), S. Bento (último domingo de Junho) e Menino Jesus (25 de Dezembro).

Valores Patrimoniais e aspectos turísticos: Igreja de  S. Miguel de Azevedo e Capela de Nossa Senhora das Barracas  e Vistas Panorâmicas, Azenhas, Aspectos Rurais da Freguesia.

 

 

ASPECTOS GEOGRÁFICOS

 

A freguesia de Azevedo estende-se pelas vertentes dos montes que a envolvem: Monte de Santo Antão, Monte da Chã Vermelha, Monte do Vieiro, e Monte da Senhora da Serra ou das Neves. Azevedo, por isso,  desfruta de uma natureza pródiga em vegetação típica do Alto Minho, donde se destaca o Azevinho,  pela quantidade que apresenta, isso para além dos pinheirais e outras espécies tradicionais como os carvalhos, sobreiros,  amieiros, austrálias, e tantas outras. O azevinho, como espécie  protegida, encontra nestas terras o respeito de todos, pela sua importância no ecossistema.

Localizada a Sudeste do concelho de Caminha, ao qual pertence, tem uma área de aproximadamente 558 ha (I.N.E.).

Como freguesias vizinhas a estão: a Norte Venade, a Sul Vile e Riba de Âncora, a Nascente Dem e Gondar, e a Poente  a freguesia de Moledo, todas elas, aqui referidas, pertencentes, igualmente, ao concelho de Caminha.

Como lugares principais destacam-se: Matos, Regueiro, Barracas, Vilas, Rua da Insua, Devesa, Paço, Cruzeiro, Valindra, Lagos, Mourão, Souto, Cotos, Vale, Prado; Aguieira, Bouça Velha, Aldeia, e Mana.

 

RESENHA HISTÓRICA

 

 

Encontram-se  em Azevedo vestígios de uma estrada secundária atribuída ao tempo dos romanos, mas muito antes disso já os Celtas por estas terras tinham, no alto dos montes, deixado marcas da sua ocupação.

Sabe-se que no ano 563 da era de Cristo existia uma povoação com o nome de Vale dos Azares, onde entre outras terras se incluíam   as terras que compõem a actual freguesia de Azevedo. Sabe-se também que, as actuais Azevedo e Vile faziam parte de um conjunto de freguesias desse Vale, elas duas formavam outrora uma só,  que se chamava São Pedro de Varais e tinham em comum uma capela, que existe até hoje, e é actualmente pertença da Freguesia de Vile,  a Capela de São Pedro de Varais.

Era para lá que os habitantes destas terras levavam , os seus mortos através dos Montes do Vieiro e da Chã Vermelha.

 Merecem atenção na freguesia a igreja paroquial, de traço simples, e a Capela das Barracas (barroca, construída em 1764), com a explicação deste nome envolta em controvérsia.

A Capela das Barracas enquadra-se numa corrente arquitectónica que começa a surgir pelo século XVII e era caracterizada pela exuberância e densidade decorativas.

Trata-se de uma corrente artística que imprimia, na pedra, o espírito da Igreja daquela época. Uma igreja rica, que sentindo-se ameaçada pelo protestantismo, encontro Barroco, o seu mais forte argumento de afirmação.

Igreja Paroquial de Azevedo - Igreja de São Miguel

Supõe-se que em 1513, Martim Anes de Azevedo ou Martinhães d`Azevedo, construiu em Azevedo a capela de São Tomé, que mais tarde o Arcebispo de Braga D: Afonso Furtado de Mendonça lhe deu o nome de «Igreja de  São Miguel de Azevedo», que é a actual embora tenha sofrido modificações com os tempos.

Existiam na freguesia dois cruzeiro, o de Lavegadas e o Cruzeiro, ambos já desaparecidos. Actualmente, existe um cruzeiro na Avenida Salgueiro. Junto ao Cruzeiro fica um pequeno nicho chamado Alminhas.

Ainda a respeito da história desta  freguesia, no livro "Inventário Colectivo dos Arquivos Paroquiais vol. II Norte Arquivos Nacionais/Torre do Tombo" diz textualmente:

«A referência histórica mais antiga a esta freguesia encontra-se na doação feita por D. Afonso Henriques desta ermida ao abade do mosteiro de Vitorino das Donas, antes de 1180.

Foi curato da apresentação do convento de Tibães, até à desanexação deste do colégio de São Bento de Coimbra. O seu cura passou então a ser apresentado por aquele colégio.

Esta freguesia e a de São Sebastião de Vile formavam uma paróquia, servindo de igreja paroquial o mosteiro beneditino de São Pedro de Varães.

Só a partir de século XVII  e após várias vicissitudes, os fregueses de Azevedo lograram edificar o templo e separar definitivamente a sua igreja paroquial da de Vile.

Em vista de 3 de Abril de 1621, o arcebispo de Braga, D. Afonso Furtado de Mendonça deu-lhe o nome de São Miguel de Azevedo.»

( Fontes consultadas: Caminha e seu Concelho, Inventário Colectivo dos Arquivos Paroquiais vol. II Norte Arquivos Nacionais/Torre do Tombo e Freguesias Autarcas do Século XXI  )


Edital Regularização...
2015-08-21 19:04:00 Regime legal extraordinariamente aplicável aos procedimentos de regularização de estabelecimentos ou explorações pendentes., do Dec-Lei 165/2014 de 5 de novembro
Cestada de Venade 2015...
2015-08-21 18:29:00 Cestada de Venade em setembro de 2015
Autarcas 2013-2017...
2013-09-30 12:13:00 Em virtude das últimas eleições e da agregação de freguesias...
Tempo Viana do Castelo